12 julho 2013

O Congresso e a reforma política


Financiamento e sistema eleitorais devem ficar de fora da reforma.
 
Então, que reforma será esta, afinal?

Câmara nem mesmo conseguiu instalar comissão para analisar propostas de reforma

PT defende voto em lista fechada e financiamento exclusivamente público.
PSDB defende voto distrital misto e financiamento "vale tudo" (pode doação individual, pode doação de empresas, pode financiamento público).
PMDB defende "distritão"

PT, PDT e PCdoB defende plebiscito.
PSDB defende referendo.

Uma coisa é certa: em 90 dias, o Congresso não será capaz de parir qualquer reforma política digna desse nome, a não ser que esteja sob intensa pressão.
Esta pressão só pode vir de duas frentes:
Ou da "ameaça" de um plebiscito (hoje em dia, para muitos parlamentares, consultar o povo virou ameaça), ou de uma grande adesão ao projeto de iniciativa popular puxado pela OAB e pelo Movimento de Combate à Corrupçãop Eleitoral.


Fora isso, a montanha vai parir um rato.

 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.