30 outubro 2015

Caravan, Duke Ellington Orchestra, 1937





Um clássico do jazz, nas mãos de um de seus mais sofisticados band leaders, Duke Ellington.

Ouça:



Composta por Juan Tizol, famoso por seu trombone com válvulas, a música se tornou uma das marcas registradas de Ellington, na década de 1930, e carimbou o que ficou conhecido como "jungle style", tanto pela batida da percussão quanto pelo trumpete com surdina de Cootie Williams.
Não só o gosto por sons exóticos quanto a busca de arranjos singulares faz de Ellington um jazzista inesquecível e inigualável. Sua contribuição e a de seus músicos exímios foi fundamental para que o Jazz fosse alçado à categoria de uma arte.

https://youtu.be/KQ7ypEF4JRg




Duke Ellington, byname of Edward Kennedy Ellington   (born April 29, 1899, Washington, D.C., U.S.—died May 24, 1974, New York, N.Y.) (Britannica)  


The first version of the song was recorded in Hollywood in 1936, performed as an instrumental by Barney Bigard and his Jazzopators. Two takes were recorded, of which the first (Variety VA-515-1) was published. The band members were:

    Cootie Williams - trumpet
    Juan Tizol - trombone
    Barney Bigard - clarinet
    Harry Carney - baritone saxophone
    Duke Ellington - piano
    Billy Taylor - bass
    Sonny Greer - drums

"Famous Ellington standard featuring its composer Juan Tizol on valve trombone. The first recording of the song had been made five months earlier by a smaller Ellington group, but issued as by Barney Bigard and his Jazzopaters." "Audio, originally issued on 78rpm: Master 131 - Caravan (Tizol) by Duke Ellington and his Famous Orchestra, recorded in NYC May 14, 1937". By youtuber MusicProf78






 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

29 outubro 2015

Estudo do Ipea mostra dados da maior profissionalização dos servidores federais

"Uma das mudanças expressivas observadas foi o aumento da profissionalização [de] servidores nomeados, neste caso medido pelo número de membros das carreiras, ou, de forma mais ampla, pelos servidores públicos que ocupam essas posições", disse o autor da pesquisa, o técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea, Félix Garcia Lopez.

"Apresento três argumentos principais:
  • O primeiro é que, embora se tenha observado ampliação do número de cargos de confiança nos últimos anos, o crescimento segue tendência similar ao crescimento do total de servidores ativos permanentes, e é inferior ao crescimento de outras funções de confiança e cargos comissionados da administração pública federal. 
  • O segundo argumento é que, ao se adotar um dos critérios que balizam parte das análises sobre profissionalização da gestão, observa-se ampliação da profissionalização do serviço público federal nos cargos DAS. 
  • Terceiro, sustento que o debate público atual se concentra de modo desproporcional sobre a questão da politização da gestão e eventual “aparelhamento” estatal – sem amparo empírico suficiente –, e essa preocupação está ofuscando outros aspectos centrais de debate visando qualificar a alta gestão pública e torná-la mais eficiente: a necessidade de se implantar e desenvolver sistemas de avaliação do desempenho mais apropriados à seleção de nomes para as posições de confiança."


Leia o estudo completo.



Fonte: Ipea


A missão do Ipea é:
“Aprimorar as políticas públicas essenciais ao desenvolvimento brasileiro por meio da produção e disseminação de conhecimentos e da assessoria ao Estado nas suas decisões estratégicas”.

 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

24 outubro 2015

Documentário retrata conquistas do Bolsa Família

Muita gente destrata o programa sem conhecer. O nome disso é preconceito. 


O documentário  "Aqui deste lugar" é um bom antídoto para esse tipo de veneno.
O filme retrata o cotidiano de três famílias brasileiras, "enfrentando a vida com coragem, carisma e determinação", mostrando que "o Bolsa Família mudou não apenas a realidade econômica da faixa mais pobre da população brasileira. Também elevou significativamente a confiança e a autoestima dos beneficiários."



Fonte: @painelbrasiltv http://t.co/KEAjos3AEk







Trailler oficial do filme:







 

23 outubro 2015

O Brasil se tornou um país de movimentos sociais e ativismo

"e tem tido governos que trouxeram programas sociais que tentam lidar com desigualdades de longo prazo que marcam a história do Brasil desde 1500."

A opinião é do historiador James Green:

“So Brazil has become a country of social movements and of activism and has had governments that have carried out social programs to try to address the long term inequalities that have been marked by Brazilian history since 1500.”

Fonte: Historian James Green Explains Brazil’s Journey From Dictatorship To Democracy, at KGOU









 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

@antoniolassance

 +Antonio Lassance 

22 outubro 2015

Ninguém conseguiu repetir o que o Brasil fez: retirar 22 milhões de pessoas da pobreza


A opinião é do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, que esteve recentemente no Brasil.

“Representantes de 66 governos do mundo vieram para o Rio de Janeiro para se consultarem, para aprenderem sobre a experiência de retirar 22 milhões pessoas da pobreza. Ninguém mais repetiu esse milagre, apenas o Brasil até agora.” 


Para Baumann, o País, porém, é um milagre inacabado.

Fonte: Observatório da Imprensa.Na matéria, Baumann fala também de novas tendências da comunicação.

Assista ao vídeo completo da entrevista dada ao jornalista Alberto Dines.



16 outubro 2015

Por que a "peste negra" é assim conhecida?


E até que ponto ela ainda está "viva"?

A imagem aqui reproduzida é autoexplicativa da origem do termo:



A peste negra é o nome que se popularizou da peste bubônica, transmitida por roedores - não apenas ratos, embora os ratos sejam os vilões principais associados à doença.

Ao afetar o sistema linfático, a doença causa gangrena, ou seja, a necrose do tecido. Com a morte de suas células, o tecido fica enegrecido. Daí o nome.

Estima-se que, na Idade Média, a peste negra pode ter matado até 50 milhões de pessoas em vários continentes, principalmente Europa, África e Ásia, tendo como ápice o século 14. A epidemia pode ter exterminado cerca da metade da população de toda a Europa.

A cena abaixo é do quadro “O Triunfo da morte”, datada de 1562, do pintor flamenco Pieter Bruegel (nascido em Breda, entre 1525 e 1530 e que morreu em Bruxelas em 9 de setembro de 1569). (Clique para ampliar. Bruegel era célebre pela riqueza e crueza de detalhes que tornam suas obras não apenas arte, mas até objeto de investigação histórica, antropológica e sociológica sobre a vida e os costumes daquela época).



Ao contrário do que se possa imaginar, a peste é ainda um problema em vários países.

"O último surto em Londres foi a Grande Praga de 1665, que matou um quinto dos moradores da cidade. Depois houve uma pandemia na China e na Índia no século 19, que ceifou mais de 12 milhões de vidas. A doença, contudo, não ficou relegada ao porão da história. Ainda é endêmica (mantida sem necessidade de contaminação do exterior) em Madagascar, na República Democrática do Congo e no Peru. E o mais surpreendente é que ela ainda mata pessoas nos EUA." (BBC Brasil).



Crédito da foto: reportagem da BBC Brasil, "Em pleno século 21, EUA convivem com a peste, que matou milhões na Idade Média"



 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

15 outubro 2015

Megatendências Mundiais 2030


 
O livro analisa  17 estudos desenvolvidos por diversas instituições e organizações internacionais. Foram selecionados 788 temas que sinalizam as possibilidades de futuro.



Leia a publicação 'Megatendências Mundiais 2030: o que as entidades e personalidades internacionais pensam sobre o futuro do mundo?'


Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

10 outubro 2015

A jornalista que noticiou o início da II Guerra Mundial


Hoje com 104 anos, ela fez a célebre reportagem que informou o mundo que tanques do Exército nazista invadiriam a Polônia, em 29 de agosto de 1939.

"1.000 tanques reunidos na fronteira polonesa."

"10 divisões prontas para um rápido ataque".


Este foram os títulos da matéria que marcaria a vida de Clare Hollingworth, do diario inglés The Daily Telegraph.


Fazia apenas uma semana que ela havia começado a trabalhar no jornal.


"Cuando se desplazaban de regreso a territorio polaco, pudo detectar repentinamente una amplia formación de tropas alemanas, incluyendo tanques y vehículos blindados, ocultos en un valle tras la frontera."


Leia a matéria da BBC em Espanhol

07 outubro 2015

Serviço público federal

“Inchaço” ou modernização e profissionalização?

Informe-se, confira os dados e tire suas próprias conclusões:

Apresentação em slides (Antonio Lassance, IPEA).

Estudo (Antonio Lassance, IPEA)  

O senso comum conta uma história de que o serviço público brasileiro (o federal, inclusive) é marcado por inchaço e empreguismo. As evidências comprovam ou refutam essa tese?





 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.

06 outubro 2015

Hungria, uma ditadura pavorosa

#Hungary is becoming a 'police state,' 'a creeping dictatorship', says Kim Lane Scheppele

@dwnews: 

http://t.co/JGArfH2lZ6

05 outubro 2015

Projeto da prefeitura de São Paulo treina moradores de rua como pesquisadores da vida sem teto


“A população de rua precisa ser ouvida. Se a gente ouvir o que ela quer, resolve o problema dela”, recomenda Paulo César de Paula, com a experiência de anos como morador de rua e militante de movimentos sociais. Desde maio, é isso o que Paulo tem feito: ouvir. Ao lado de outros nove pesquisadores, Paulo conversa com os habitantes das calçadas, vielas, praças, tendas, albergues, malocas, centros de acolhida e bueiros – todos os locais da cidade de São Paulo que servem como casa para os que não têm casa.


A Pesquisa Social Participativa Pop Rua é um projeto da Secretaria Municipal de Direitos Humanos.

http://t.co/Ul3X5VUZ2E

@SMDHC