16 janeiro 2012

Mais cuidados com o uso de estatísticas


"Os dados podem ser muito voláteis. Dois homicídios em um ano em Borá, menor cidade do Brasil, deixará o município entre os piores. Por isso, temos critérios claros para fazer a estatística."
Julio Jacobo, pesquisador

"A certidão de óbito é a melhor forma de medir homicídio, aqui e internacionalmente. Claro que as capitais, com seus hospitais de referência, podem ser prejudicados nessa contabilidade. Mas fizemos alguns estudos amostrais para ver a discrepância do local de ocorrência da morte e do endereço da vítima. Simões Filho, na Bahia, foi um dos locais estudados. Verificamos que a maior parte das mortes é de gente que reside lá", destaca, sem fornecer números. Jacobo explica ainda que o ranking apresentado é feito com base na média dos últimos três anos sobre os quais há informação disponível.

(Extraído de reportagem publicada pelo Correio Braziliense, 14/01/2011, sobre o Mapa da Violência, produzido pelo Governo Federal).

Mais sobre o assunto:
"Como Mentir com Estatística", de Darrell Huff  - como desmistificar muitas das idéias pré-concebidas sobre estatísticas, evitando que o fascínio ingênuo por números.

Como se deve tratar números e apresentá-los ao público - erros muito comuns presentes nas notícias espetaculosas e alarmantes.

 
Siga o blog e receba postagens atualizadas. Clique na opção "seguir", ao lado.