11 agosto 2014

“Se fosse esperar pela iniciativa privada, o Brasil não teria Itaipu, não teria aeroportos, não teria metrô, não estaria construindo Belo Monte”.


Leia a entrevista à revista do Instituto Humanitas Unisinos (Universidade do Vale dos Sinos, Rio Grande do Sul).






“A imagem do país é um bem público, tanto quanto um orelhão, um banco de praça. Houve uma depredação simbólica do Brasil, e não foi feita só por mascarados”.

 


Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.