24 julho 2013

Lula eleva o tom e vai ao ataque

Defendeu o programa "Mais Médicos" e acusou os que querem a redução de ministérios de visarem extinguir justamente os da área social.


Lula defende programa Mais Médicos 
Correio Braziliense, 24/07/2013

Em discurso com tons presidenciais, o petista afirmou que não quer "tirar emprego de brasileiro", mas "levar profissionais a quem precisa"

JULIANA BRAGA

Sob aplausos de uma plateia com 500 pessoas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou em defesa do programa Mais Médicos, lançado pela presidente Dilma Rousseff, há duas semanas. “Se os médicos brasileiros não querem trabalhar no sertão, que a gente traga médicos do exterior”, disparou ele, em palestra no Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, no Museu Nacional de Brasília. Lula também responsabilizou a “elite” pelo fim da CPMF e a consequente redução dos recursos destinados à saúde. 

O ex-presidente tentou afastar a tese de que o programa diminuirá as chances para médicos brasileiros, em um tom de quem ainda está à frente do governo: “Ninguém quer tirar o emprego de ninguém. Longe de mim tirar emprego de brasileiro. O que eu quero é levar médico para quem não tem médico. Isso é o que a gente tem que fazer”, afirmou Lula. Ele afirma que a importação de profissionais é “importante”, enquanto o país não formar os profissionais necessários para preencher as vagas. “Qual é o problema? Qual é o preconceito com a gente de fora?”, provocou.

Sobre a CPMF, ele afirmou que, desde que o imposto foi revogado, a área da saúde perdeu R$ 350 bilhões. “Nós sabemos que é preciso melhorar muito a saúde no Brasil. Todo mundo aqui sabe, a Dilma sabe, eu sei, você sabe. Entretanto, é importante que este país não esqueça que eles, a elite brasileira, a pretexto de diminuir imposto neste país, tirou no primeiro ano do meu segundo mandato a CPMF”. Lula disse ainda que a “elite” tem acesso aos planos de saúde, e que o objetivo seria prejudicá-lo. “A mim não, eu tenho acesso a esses planos (de saúde)”, completou.

Em um contexto de queda acentuada da popularidade de Dilma Rousseff e dos rumores de rusgas na relação entre os dois, Lula foi enfático na defesa da presidente. “Estão com um preconceito contra ela, maior do que o que tinham contra mim”, acredita ele, sem fazer referência a quem seriam as pessoas contrárias aos governos petistas. “A maior falta de respeito, e a uma mulher da qualidade da Dilma. Será que é só porque ela é mulher? Será que eles têm falta de respeito com a mãe deles, como têm com a Dilma Rousseff?”, insinuou.

O ex-presidente também comentou sobre a redução de ministérios. Lula acha que os defensores da diminuição das pastas querem a exclusão daquelas ligadas à área social. “Fique esperto, porque ninguém vai querer acabar com o Ministério da Fazenda, ninguém vai querer acabar com o Ministério da Defesa. Eles vão tentar mexer no Ministério da Igualdade Racial, no dos Direitos Humanos”, afirmou.

No fim, ele ainda brincou com o episódio da espionagem norte-americana no país. Ao falar sobre o Brasil como uma nação importante, e dos grupos de países em desenvolvimento que começam a se reunir — como os Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e o ASA (Cúpula América do Sul e África)—, o ex-presidente disse que agora os países desenvolvidos até “escutam” os telefonemas dos mais pobres. “Eu acho que o (presidente dos Estados Unidos, Barack) Obama está nos ouvindo aqui. Abraço, irmão!”


 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.