09 fevereiro 2013

O Exército chegou antes

Escrito Marcelo Rubens Paiva critica timidez da Comissão da Verdade.

Ele é filho do deputado cassado durante a ditadura militar (1964-1985), desaparecido desde o início dos anos 1970.

"A comissão é muito tímida. Vou ser bem fantasioso, como escritor eu gosto de fazer comparações absurdas, mas eu esperava um Kevin Costner, do filme "Os Intocáveis", uma forma de caçar os verdadeiros gângsteres com um pouco mais de atitude. A comissão tinha que bater na porta dos caras que ela quer que sejam ouvidos. Contrasta um pouco com o que foi a repressão política, como as Forças Armadas se comportaram e como a comissão ataca esses objetivos de esconder a verdade.

Folha: Quando ela foi tímida?
Rubens Paiva: No caso do coronel Júlio Miguel Molinas, ex-chefe do DOI-Codi do Rio, lá no RS. A gente ouviu falar que, um dia depois da morte dele [1º de novembro], houve uma operação do Exército que cercou a casa e levou caixas e caixas de documentos. A Comissão da Verdade é que deveria ter chutado a porta do cara com um grupo de investigadores de alto nível, porque afinal é uma comissão oficial do governo brasileiro. Devia ter pegado essas caixas. Se por um lado o Exército vai lá e chuta a porta, a comissão pede um ofício. É tudo muito lento". 

Trechos da entrevista à Folha de S. Paulo.

 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.