13 janeiro 2013

O presidencialismo de coalizão nas prefeituras


Folgadas maiorias governistas estão garantidas nas capitais



Prefeitos de capitais terão maioria nas câmaras



Os prefeitos das principais capitais brasileiras terão confortáveis maiorias nos legislativos municipais. Em 21 das 26 capitais, mais de 60% dos vereadores irão apoiar os prefeitos eleitos.
Em Curitiba, só uma vereadora diz ser oposição; Recife tem 90% de adesão governista e SP conta com 76%.

Guilherme Voitch e Thiago Herdy *


Em Boa Vista (RO), a prefeita Teresa Surita (PMDB) não enfrentará oposição. Todos os 21 vereadores eleitos prometem aprovar as primeiras medidas adotadas pela prefeita. Com 290 mil habitantes e dependente de repasses federais e estaduais, a capital viu diminuir os recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e enfrenta problemas para manter serviços.

- A cidade está quebrada. Tivemos perda de arrecadação e o prefeito anterior deixou muitos problemas. Os vereadores entenderam isso, conversamos e entramos em acordo. Nesse primeiro momento, vamos trabalhar todos juntos - diz a secretaria Ionei Martins de Oliveira.

O cenário de adesão não é exclusividade das capitais com menor população. Curitiba terá apenas uma vereadora na oposição ao prefeito eleito Gustavo Fruet (PDT), o que lhe garante índice de 97% de governismo. Na gestão anterior, cinco vereadores estavam na oposição.

- Eles foram para o governo e os que eram governo não vieram para a oposição. Agora sou só uma contra 37, mas não vou dar moleza. Vou fiscalizar e, se for o caso, pedir instalação de CPI - diz Noêmia Rocha (PMDB), para quem a máquina do Executivo pesa mais que as disputas partidárias.

- Os outros vereadores dizem que temem ficar sem verbas e obras para seus bairros e bases. Essa é a ideia deles - completa.

Depois de Curitiba, os maiores índices de governismo são encontrados em Manaus (AM), onde Arthur Virgílio (PSDB) contará com o apoio de 93% da Câmara, e no Rio de Janeiro (RJ), onde Eduardo Paes (PMDB) conta com 92% de apoio, representado em 41 dos 51 vereadores. O destaque da oposição na cidade é o ex-prefeito Cesar Maia, eleito vereador pelo DEM e maior torcedor de uma eventual briga entre PT e PMDB na sucessão ao governo estadual de 2014. Para ele, seria um elemento capaz de diminuir a força do governismo na prefeitura.

Em Recife, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) conta com 90% do Legislativo, em Belo Horizonte, Márcio Lacerda tem 88%. O apoio ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), é equivalente a 76% dos vereadores da capital paulista.

Matéria publicada em O Globo, 13/01/2013

 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.