04 fevereiro 2011

O velho e bom gasto social

IPEA demonstra que o gasto social tem efeito multiplicador maior do que os feitos diretamente no setor produtivo. 
Além de distribuição de renda, ele é um vetor decisivo para o crescimento econômico. 
O diretor Jorge Abrahão
e a pesquisadora Joana Mostafa, 
do IPEA, na apresentação do
Comunicado 75, da Presidência do IPEA.

O estudo refuta categoricamente os que demonizam indiscriminadamente os gastos de custeio. 
Desmente aqueles que consideram como “gastança” números que têm, por trás, o pagamento do Bolsa Família, de salário de professores, médicos e enfermeiros.
Uma boa repercussão deste estudo pode ajudar a consolidar uma linha da cidadania brasileira, que costuma sofrer ataques cotidianos, maldosos, para não dizer perversos.


Em seu Comunicado nº 75, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela a importância que os gastos sociais adquiriram no Brasil para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e a redução das desigualdades.
Fonte: IPEA, 3 de fevereiro de 2010.

Segundo o estudo, que usou como base dados de 2006, cada R$ 1 gasto com educação pública gera R$ 1,85 para o PIB, e o mesmo valor investido na saúde gera R$ 1,70. Foram considerados os gastos públicos assumidos pela União, pelos estados e municípios.

Ao comparar tipos diferentes de gasto social, o Comunicado concluiu que aquele destinado à educação é o que mais contribui para o crescimento do PIB, haja vista a quantidade de atores envolvidos nesse setor e os efeitos da educação sobre setores-chave da economia. “O gasto na educação não gera apenas conhecimento. Gera economia, já que ao pagar salário a professores aumenta-se o consumo, as vendas, os valores adicionados, salários, lucros, juros”, explicou o diretor de Estudos e Políticas Sociais do Ipea, Jorge Abrahão.

Abrahão apresentou o estudo ao lado de Joana Mostafa, técnica de Planejamento e Pesquisa do Ipea. Por sua vez, quando se calcula o tipo de gasto social que tem o maior efeito multiplicador na renda das famílias, em primeiro lugar aparece o Programa Bolsa Família (PBF). Para cada R$ 1 incluído no programa, a renda das famílias se eleva 2,25%. “A título de comparação, o gasto de R$ 1 com juros sobre a dívida pública gerará apenas R$ 0,71 de PIB e 1,34% de acréscimo na renda das famílias”, acrescenta o Comunicado, intitulado Gastos com política social: alavanca para o crescimento com distribuição de renda.

O texto afirma ainda que 56% dos gastos sociais retornam ao Tesouro na forma de tributos. “O gasto social não é neutro. Ele propicia crescimento com distribuição de renda. Ele foi muito importante para o Brasil superar a crise de 2008. Esse gasto tem uma grande importância como alavanca do desenvolvimento econômico e, logicamente, do bem-estar social”, concluiu Abrahão.

Confira:
Os gráficos deste estudo
Leia a íntegra do comunicado

Divulgue o que as outras mídias não cobrem ou cobram para informar.  
Siga o blog e receba postagens atualizadas.
Clique na opção "seguir", ao lado. Siga-me no Twitter