04 outubro 2010

Segundo turno: agora sim, o plebiscito

O segundo turno é uma vantagem para os sistemas eleitorais que o adotam.

Garante que o presidente eleito seja respaldado por uma parcela categoricamente majoritária de eleitores.
Para tanto, o 2º turno obriga os candidatos a mostrarem quem são e o que representam.

Reforça-se o caráter de democracia plebiscitária que o sociólogo alemão Max Weber atribuía à política moderna.

As três principais candidaturas (Dilma, Serra e Marina) fizeram um primeiro turno morno. Dilma "paz e amor", Serra fingindo não ser de oposição e Marina falando, justamente, contra a polarização (que ela paradoxalmente contribuiu para produzir, com o 2º turno). Como disse o jornalista Luiz Carlos Azenha, Marina Silva cresceu "justamente nesse buraco negro da falta de politização".

Agora, é hora do jogo aberto, do mata-mata e do gol de ouro (ou, como diria o Nassif, da bala de prata).


Siga o blog e receba postagens atualizadas por email. Clique na opção "seguir", ao lado.
Enviar email para o blog: lassanceblog@gmail.com
Me siga no Twitter: https://twitter.com/antoniolassance