01 agosto 2018

A nova idade das trevas


A desigualdade extrema criou uma aristocracia encastelada e armada, que vive de forma cada vez menos produtiva e mais fisiológica. O capital tem se tornado, cada vez mais, "capital fisiológico".

Imersa em uma ilha de sonhos, essa elite vive um conto de fadas rotineiramente assombrado pelas monstruosidades de um mundo de pobreza e degradação humana e ambiental. 



Matthew Stewart  fala como o apartheid que se tornou a marca de vários países lança a expectativa de um futuro sombrio sobre todos nós.

O vídeo mostra a importância de se desconcentrar a riqueza, desarmar as pessoas e garantir igualdade de condições para que ninguém, rico ou pobre,  seja movido pelo desespero.


"Ao contrário do mito popular, a mobilidade econômica na terra das oportunidades não é alta e está declinando."


Inscreva-se no Canal do Youtube e receba as notificações de vídeos sobre história, política e desenvolvimento.



Como uma nova forma de segregação aristocrática está envenenando a sociedade

MATTHEW STEWART, Escritor e filósofo:
Os Estados Unidos estão seguindo um caminho.
É um caminho de estratificação de classes, crescente desigualdade.

E as conseqüências disso são mais potencialmente prejudiciais do que eu acho que a maioria das pessoas aprecia.

PAUL SOLMAN:
Em uma provocativa matéria de capa da revista "Atlantic", "O nascimento de uma nova aristocracia", o autor e filósofo Matthew Stewart argumenta que a crescente divisão de classes é desestabilizadora para a nossa sociedade.

MATEUS STEWART:
Então, acontece que a concentração de riqueza nos Estados Unidos realmente incide sobre os primeiros 0,1%, e não nos primeiros 1%.
Mas isso não significa que todos abaixo deles tenham perdido dinheiro.

Na verdade, apenas os 90% inferiores perderam.

Então há esse grupo no meio, os 9,9%, que conseguiu manter seu padrão.

Eles desempenham um papel muito importante, por um lado, na direção da economia,

Por outro lado, basicamente, na criação de barreiras que impedem as pessoas de baixo de viver o sonho americano.

PAUL SOLMAN: Então, quanto de riqueza as pessoas dos 9,9% têm?

MATTHEW STEWART: Agora, você precisa de no mínimo uns US$ 1,2 milhão para chegar aos 9,9%.

E a mediana está em torno de US$ 2,4 milhões.

PAUL SOLMAN: Valor líquido, isso?

MATTHEW STEWART: Sim, melhor dizendo.

Isso tudo é patrimônio líquido.

E inclui todas as formas de ativos.

Então isso incluiria casas.

Nos números que vi, também inclui coisas como carros.

É muito importante entender que nossa riqueza não é apenas financeira.

Nós, os 9,9%, todos desfrutamos de uma saúde melhor.

Nós tendemos a viver em melhores bairros, o que significa que temos menos crimes para lidar.

Nós temos uma educação melhor.

Então, todas essas formas não financeiras de riqueza acabam se tornando cruciais.

Elas não apenas nos tornam capazes de gerar mais riqueza econômica, mas também de consolidar nossa posição.
Podemos então transferir isso para nossos filhos.

PAUL SOLMAN: Obviamente não é bom para as pessoas que estão presas embaixo, mas seu argumento é: também não é bom para pessoas que têm a sorte de estar acima.

MATTHEW STEWART: Sim, isso mesmo, porque, quando as classes se separam muito, as pessoas dos estratos superiores precisam trabalhar sempre mais para manter sua posição.

E eles têm mais chance de cair se cometerem um erro.

Então eles investem mais em preservar sua posição.

E eu não acho que tenhamos notado como isso se ramifica em toda a sociedade

Isso nos encaixa em um lugar, desenha linhas de batalha, cria desconfiança.

PAUL SOLMAN: E o que está levando a isso?

MATTHEW STEWART: A causa fundamental é algo que todos nós conhecemos.

Todos nós conhecemos a história da crescente desigualdade.

Isso cria um tipo de rigidez, uma instabilidade.

Também obscurece nossa visão, tira nossa razão,  ficamos sem uma base comum para nossas discussões
A desigualdade se retroalimenta em algum grau.
Então, quanto maior a concentração de riqueza, mais as pessoas com essa riqueza podem usá-la para consolidar sua posição, investindo em formas não financeiras de riqueza.
PAUL SOLMAN: Eu ouvi isso aqui como "capital transacional".

MATEUS STEWART: Também pode ser apenas "capital fisiológico" em certo sentido.

Então, verifica-se que não só os mais ricos estão ficando mais saudáveis, mas as pessoas na parte inferior os últimos decís estão realmente ficando menos saudáveis ​​em muitos aspectos.

Assim, por exemplo, brancos de meia-idade com até o ensino médio tiveram sua expectativa de vida diminuída.

PAUL SOLMAN: Parte do que está conduzindo a isso é algo que você e outros chamam de acasalamento seletivo.
MATTHEW STEWART: Então, o acasalamento seletivo é justamente quando se casa com alguém assemelhado.
Nos últimos 50 anos, temos visto um aumento significativo nesse tipo de padrão de casamento.

Existem alguns estudos que sugerem que cerca de um terço do crescimento da concentração de riqueza é devido a decisões relacionadas com casamentos seletivos, essencialmente.
PAUL SOLMAN: Assim como nos velhos tempos, famílias nobres, reis, rainhas  eles se casavam entre si para consolidar seu poder e sua riqueza.

MATEUS STEWART: Bem, isso me lembra Jane Austen, para ser honesta, porque estamos voltando para um mundo em que os indivíduos procuram parceiros de forma obsessiva. 

Eles não conseguem encontrar o amor verdadeiro em alguém que tenha o status social adequado.

O benefício que você obtém do status social correspondente é tremendo, e o preço que você paga por não conseguir fazer isso, por não conseguir encontrar um companheiro de alto status subiu.
Subiu drasticamente.

Se você é de baixo status e se casa com um parceiro de baixo status, o casamento é realmente mais difícil.

É mais difícil porque você está trabalhando mais, provavelmente, ou você tem riscos maiores, maior estresse.

Você tem pior saúde.

E, consequentemente, você, estatisticamente, tem muito menos probabilidade de ter um lar estável.

PAUL SOLMAN: Então, o que você quer que os 9,9% façam?

MATTHEW STEWART: Temos que começar a pensar em como podemos viver em comunidades integradas que estão abertas a todos, onde a geografia não é uma barreira econômica e de classe.

Nossa geografia está nos matando.

Estamos montando um sistema onde concentramos recursos educacionais, as escolas em um particular área.

Nós concentramos poder econômico.

PAUL SOLMAN: É por isso que as pessoas se mudam para áreas como o local onde você mora, Brookline, Massachusetts, que tem esse ótimo sistema educacional, certo?

MATTHEW STEWART: Sim.

É ótimo.

Temos um sistema quase privado de educação que chamamos público.

Certo?

Eu me mudo para Brookline, mando meus filhos para escolas públicas, são ótimas escolas.

É por isso que você se muda para lá.

E você também pode.

Você apenas tem que comprar uma casa que vale US $ 2 milhões.

Agora, isso é um erro colossal, colossal.

Na história dos Estados Unidos, a educação pública era absolutamente essencial na construção da classe média.

Foi assim que conseguimos a economia produtiva em que todos participam e tivemos um grau razoável de estabilidade.

Estamos agora montando um sistema onde nós recebemos a educação pela qual você paga.

E isso significa que você recebe um monte de cidadãos sem instrução.

E isso é uma receita para o desastre.

PAUL SOLMAN: Eu acho que é o mais difícil para alguém como eu ou pessoas que nos assistem.

O que estamos fazendo é o que é absolutamente natural para nós, isto é, investir em nossas crianças, mudando-se para um bairro com uma boa escola para nossos filhos ou netos.

Você não quer que eu pare de fazer isso, certo?

MATEUS STEWART: Só porque nossas ações individuais são inocentes quando olhamos para elas muito estreitamente, isso não significa que tudo vai dar certo para o melhor.

Eu morava no México, morei no Reino Unido por vários anos.

Eu vi versões deste processo acontecendo.

Todo mundo envolvido é legal.

Mas, no final do dia, eles participam dessa coisa que leva você a um ponto onde você tem uma classe distinta de pessoas maravilhosas rodeadas por muitas outras pessoas  muito infelizes com isso.

Paul Solman: E as pessoas nessa classe distinta, pelo menos em lugares como o México, eles têm pistoleiros reais em suas casas grandes e extravagantes.

Certo?

MATEUS STEWART: Certo.

E há uma progressão natural de comunidades fechadas para comunidades armadas e fechadas.

E estamos meio que entrando nisso agora.

E se continuarmos seguindo esse caminho, sim, teremos as comunidades armadas e fechadas.

E nenhum de nós terá feito nada de errado.

Mas é onde nós estaremos.


O artigo completo de Stewart está publicado na revista Atlantic.







O Brasil precisa de uma opinião pública melhor informada, atenta e democrática.
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.