21 outubro 2013

Três abutres sobre os ombros de Vinícius de Moraes


No centenário de Vinícius de Moraes, são relembrados três episódios que arrancaram pedaço na alma do poetinha. Cada qual por uma ditadura.

Artigo publicado na Carta Maior. Leia. 


Vinícius foi sobretudo um poeta intimista. Escrevia sobre pequenos detalhes para falar grandes coisas. Em Pátria minha (1949), dizia:

“A minha pátria é como se não fosse, é íntima
Doçura e vontade de chorar; uma criança dormindo
É minha pátria. Por isso, no exílio
Assistindo dormir meu filho
Choro de saudades de minha pátria”.

De vez em quando, o poeta de "O operário em construção" e "A rosa de Hiroshima" flertava com o socialismo e o Partido Comunista, mas nada tão intenso que lhe roubasse a dedicação maior ao copo de uísque, ao violão e às mulheres.

Não importa. Para ditaduras, ninguém é inocente. Mesmo o comportamento e a vida privada exalam subversão. As amizades são vermelhas e empunham bandeiras. O poeta, desde longa data, era amicíssimo de adeptos do comunismo e do pensamento crítico, o que bastava como carimbo de sua ficha de filiação. Oswald de Andrade, Carlos Drummond de Andrade, Waldo Frank, Pablo Neruda, Cândido Portinari e Oscar Niemeyer eram de sua legião de amigos "gauches".

As ditaduras rondariam Vinícius de Moraes e bateriam à sua porta, como abutres à espera de lhe arrancar um pedaço de cada vez. O primeiro abutre, a ditadura brasileira, o mandaria embora de seu emprego de diplomata. Depois do Ato Institucional n.º 5 (AI-5), estava aberta a temporada de caça aos subversivos, fossem eles de qualquer natureza. Comunistas, socialistas, democratas em geral, críticos da ditadura, e, também, boêmios e homossexuais. Todos subversivos. Tais como Vinícius e João Cabral de Melo Neto, tidos como ociosos. Melo Neto ficou. Vinícius se foi, em 30 de abril de 1969.

A segunda ditadura, a chilena, seria, para Vinícius, a “causa mortis” de seu amigo poeta, Pablo Neruda. O ano de 1973 desabou sobre ele pesares e raiva, triplicados, pois, além de Neruda, mais dois “Pablões” estavam mortos: Picasso e Casals. Em sua “Breve consideração à margem do ano assassino de 1973”, a tristeza é, ao final, arremessada por um providencial “puta que o pariu”:

“Que ano mais sem critério
esse de 73
Levou para o cemitério três
Pablos de uma só vez

Três Pablões, não três pablinhos
No tempo como no espaço
Pablos de muitos caminhos:
Neruda, Casals, Picasso.

Três Pablos que se empenharam
contra o fascismo espanhol
Três Pablos que muito amaram
Três Pablos cheios de Sol.

Um trio de imensos
Pablos em gênio e demonstração
Feita de engenho, trabalho
Pincel, arco e escrita à mão.

Três publicíssimos Pablos:
Picasso, Casals, Neruda
Três Pablos de muita agenda
Três Pablos de muita ajuda.
Três líderes cuja morte
o mundo inteiro sentiu

Oh ano triste e sem sorte
Vá pra puta que o pariu”
Três anos depois, outro abutre, a ditadura Argentina, bateria à porta do poetinha. Seu pianista, Francisco Tenório Cerqueira Júnior, foi sequestrado pelas forças de repressão. O episódio foi contado a Carta Maior por Francisco Luque, em "Quando Vinicius procurou Tenório Jr. em Buenos Aires".

"Tenorinho desapareceu”, teria dito Vinicius, ainda sem saber que o golpe que irromperia a ditadura Argentina estava pronto, nem muito menos que uma Operação Condor, chefiada por abutres, já articulava os aparelhos de repressão das ditaduras da América Latina, entre elas, a do Brasil e a da Argentina.

Segundo testemunhas, Tenorinho saía de seu quarto de hotel, em Buenos Aires, quando foi sequestrado por quatro homens. Metido em um carro sem placa, seria levado para uma delegacia e, em seguida, à Escola de Mecânica da Armada, onde teria sido assassinado por um capitão da Marinha.

Vinícius, que nasceu em 19 de outubro de 1913, morreu em 9 de julho de 1980. O presidente Lula, com a Lei 12.265, de 21 de junho de 2010, revogaria a expulsão de 1969 e promoveria o diplomata Marcus Vinícius da Cruz de Mello Moraes a Ministro de Primeira Classe do Itamaraty.

Além de desfazer uma injustiça, Lula retribuía os poemas declamados, pelo poeta do afeto, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, em 1979. Fazia um ano das greves que sacudiram o ABC paulista. Era o momento em que a transição lenta, gradual e “segura”, principalmente para os torturadores, decretaria a lei de anistia.

Na lápide anônima dos inúmeros cemitérios clandestinos onde repousam os corpos dos desaparecidos, bem caberia, de novo, mais um poema:

“Não vos vejo em paz
Nem vos penso bem
Na minha saudade.

Sinto que vagais
Ao lado de alguém
Pela eternidade”.
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.