21 março 2013

Quase metade da população não é cliente bancário

De cada dez brasileiros com mais de 15 anos, pouco mais da metade tem conta em banco. Na comparação com outros países, o Brasil sai na frente por exemplo da Argentina, onde apenas três a cada dez mantêm conta corrente, e do Chile, com quatro entre dez pessoas. No entanto, está distante da Alemanha, onde 98,1% têm conta em banco.

Os dados, retirados do relatório "Global Financial Inclusion Database" do Banco Mundial, mostram que ainda há muito espaço para o Brasil avançar.

A própria mobilidade social indica as oportunidades para os bancos. Em 2003, 66 milhões de brasileiros tinham renda mensal per capita entre R$ 214 e R$ 923 e pertenciam à classe C. A projeção da FGV para 2014 é que esse número chegue a 113 milhões de pessoas.

"Em termos estatísticos, ainda tem espaço para crescer", diz Luiz Edson Feltrin, diretor de assuntos especiais do Banco Central. A visão da autoridade é que não necessariamente a inclusão financeira passa pela conta corrente. "No Quênia, por exemplo, a inclusão se deu pelo celular como meio de pagamento."

No entanto, a avaliação do BC é que hoje o Brasil já conta com a infraestrutura bancária capaz de atender a população. "A questão da capilaridade está equacionada", afirma Feltrin. Todas as 5.565 cidades do país contam com algum tipo de atendimento bancário

Com o auxílio de lotéricas e correspondentes, a Caixa contabilizou 2,9 milhões de contas poupança ou contas Caixa Fácil, que são contas correntes simplificadas, abertas em 2012 por pessoas que até então não tinham acesso a banco. "Nossa estimativa para 2013 é superar a marca de 3,1 milhões de abertura de contas de pessoas com esse perfil", diz Katia Torres, da Caixa.

Trecho da matéria de Katia Maria Torres, Valor, 20/03/2013.
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.