23 junho 2012

Presidente do Chile mostra como a direita finge mal quando tenta se passar por democrata


Sebastián Piñera encerrou abruptamente uma entrevista que concedia à BBC Brasil quando questionado sobre um ato em memória do ex-presidente do país, Augusto Pinochet, ocorrido em Santiago, no último domingo.

Pinochet governou ditatorialmente o Chile  de 1973 a 1990.

Gente da comitiva de Piñera tentou duas vezes desligar a câmera após o presidente ter virado as costas ao repórter.



Fonte: BBC Brasil.




Piñera, que está no Rio de Janeiro para a Rio+20, a conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, havia acabado de responder a uma pergunta sobre os recentes protestos estudantis no Chile quando foi questionado, logo em seguida, sobre a homenagem a Pinochet.
Antes mesmo de o repórter terminar a frase, uma assessora de comunicação do presidente chileno interveio em frente à câmera e disse que a entrevista estava terminada.

Logo em seguida, Piñera levanta-se, agradece pela entrevista, e se encaminhava em direção à saída quando alegou que não respondeu à pergunta porque "o tempo estava esgotado".

No vídeo, funcionários da comitiva do presidente chileno são vistos tentando por, pelo menos, duas vezes, desligar a câmera após o término da entrevista.

O ato em memória de Pinochet, que incluía um documentário elogioso ao governo militar, realizado em uma zona central da capital Santiago, foi seguido de intensos protestos. Manifestantes entraram em confronto com a polícia, deixando inúmeros feridos e detidos.

Segundo estimativas oficiais, o regime comandado por Pinochet, alçado ao poder após o golpe de estado que derrubou o presidente Salvador Allende, provocou a morte de, pelo menos, 3 mil pessoas.

BBC Brasil 
 
Para seguir o blog e receber postagens atualizadas, use a opção "seguir", ao lado.