14 maio 2010

e-Schumpeter

Mídia, internet e capitalismo: e-Schumpeter
A "Terceira Guerra Mundial". É assim que a revista The Economist trata a guerra entre as gigantes da computação, Google, Microsoft, Apple e Oracle. 
















Para explicar a guerra, The Economist recorre à teoria econômica de J. A. Schumpeter (1883-1950), economista austríaco (depois, radicado nos Estados Unidos).
A ideia clássica de Schumpeter é a de que o capitalismo é, sobretudo, inovação, e inovação é, ao fim e ao cabo, a destruição das formas anteriores de produção e a obsolescência dos produtos a elas associados.
A liderança do processo que Schumpeter qualifica como de destruição criativa está a cargo de empreendedores dotados de espírito impetuoso e ambicioso. 
O ímpeto e a ambição explicariam o comportamento raivoso dos chefões da economia da computação, segundo The Economist,cujas animosidades entre suas empresas (Google, Microsoft, Apple, Oracle) seriam parte deste espírito destruidor Schumpeteriano.


A reportagem de Economist:
THE ECONOMIST. Look forward in anger: personal animosity is a mighty force in business, for good as well as ill. The Economist. London, 18 Mar 2010. Avaiable at http://www.economist.com/business-finance/PrinterFriendly.cfm?story_id=15716776 Acessed at 18 Mar 2010.
Uma revisão de literatura sobre a obra de Schumpeter:
COSTA, Achyles B. O desenvolvimento econômico na visão de Joseph Schumpeter. Unversidade do Vale dos Sinos: Unisinos, 2006. Cadernos IHU Ideias ano 4, nº 47. Disponível em  http://www.ihu.unisinos.br/uploads/publicacoes/edicoes/1158329722.22pdf.pdf Acessado em 13 maio 2009.
Um estudo sobre a gênese do capitalismo, comparando as teorias de Schumpeter e Fernand Braudel:
DANNEQUIN, Fabrice. Braudel et Schumpeter: deux manières de voir le capitalisme. Dunkerke: Laboratoire Redéploiement Industriel et Innovation
Université du Littoral Côte d’Opale, septembre 2004. Disponível em http://riifr.univ-littoral.fr/wp-content/uploads/2007/04/doc85.pdf Acesso em 13 mai 2010.


Self-made men
A impetuosidade e abnegação dos capitalistas lhes emprestaram duas imagens antagônicas: de um lado, a de "self-made man" (o "homem que se fez por conta própria", numa tradução literal; aquele que saiu da pobreza e construiu um império).


À esquerda, mensagem do verso da embalagem de cigarros Duke, com uma lista de "pobres garotos" que se tornaram ricos ou famosos.


Os barões ladrões
De outro, a imagem de barão ladrão, aquele que guerreou contra tudo e contra todos os que atravessavam seu caminho, utilizando-se de todo e qualquer recurso à sua disposição, inclusive os mais maquiavélicos (o roubo e a fraude).
Entre os "self-made men" considerados barões ladrões (foto à esquerda): John D. Rockefeller (petróleo), Andrew Carnegie (siderurgia), James J. Hill (ferrovias) e Cornelius Vanderbilt (transportes - barcos e ferrovias).



E como o assunto é mídia e capitalismo, veja, abaixo, o flagrante do banqueiro J. P. Morgan espancando um fotógrafo. Morgan tinha uma doença de pele, a acne rosácea (a mesma que inspirou a criação do personagem Cara de Ameixa, de Dick Tracy). Morgan apenas admitia fotógrafos autorizados, cujas fotos eram obrigatoriamente retocadas.